fbpx

O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres, no mundo, e, no Brasil, responde por cerca de 28% dos casos novos, anualmente. A informação é do Instituto Nacional de Câncer (Inca), que estima para 2018 quase 60 mil novos casos (59.700). De acordo com a Organização Mundial da Saúde, esse é o tipo que mais tira a vida de mulheres na faixa etária dos 20 aos 59 anos de idade, no mundo. Nos homens, a incidência é de 1% do total.

Diversos fatores estão relacionados ao aumento do risco de desenvolver o câncer de mama, tais como: idade, fatores hormonais/história reprodutiva, fatores comportamentais/ambientais e fatores genéticos/hereditários.

A mamografia é o exame radiológico específico para o rastreamento do câncer de mama, pois detecta lesões e alterações (exemplos: nódulos, microcalcificações etc.) não palpáveis e nem perceptíveis visualmente.

E qual seria o momento certo para realizar essa avaliação? Este aspecto, digamos assim, gera controvérsias. A médica radiologista da Clínica Maximagem Diagnóstico por Imagem, Dra. Cristianne L. C. Domingues, fala sobre a idade em que o exame se torna necessário e imprescindível, além de suas principais características.

O primeiro exame deve ser feito a partir dos 40 anos de idade e ser repetido anualmente. Assim recomendam o Colégio Brasileiro de Radiologia, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).

Quando há histórico de câncer na família – parentes de primeiro grau com câncer de mama, ovário ou câncer de mama masculino – é interessante fazer a mamografia mais cedo. Essa avaliação deverá ser feita, individualmente, pelo médico assistente.

O intervalo entre as mamografias pode cair para seis meses quando houver alguns tipos de lesões específicas detectadas, pois este é o acompanhamento adequado. Não se recomenda o procedimento em crianças, grávidas, lactantes e antes dos 25 anos, visto que até esta idade as ultrassonografias geralmente resolvem com êxito as buscas e prevenções.

O exame não é invasivo e dura em média de 15 a 30 minutos. O equipamento (mamógrafo) tem duas placas que comprimem as mamas, por alguns segundos – uma de cada vez, horizontalmente e verticalmente, para que haja visualização total do tecido mamário. O exame não dói, há apenas um certo desconforto, relatado por alguns pacientes, mas não representa uma regra.

A mamografia digital – um avanço da Medicina, veio para dar melhoria aos pacientes e profissionais. Ela é mais rápida, causa menos desconforto e converte os raios-X em imagem digital, o que leva à produção mínima de artefatos, imagens de alta resolução para uma análise mais detalhada e diagnósticos mais precisos.

O resultado pode ser negativo (ausência de qualquer alteração), achados benignos, provavelmente benignos ou suspeitos. O médico radiologista prepara o laudo com todos os achados para o profissional que assiste o paciente de forma que ele possa adotar as medidas necessárias, inclusive (nos casos de suspeita) sugerir uma possível biópsia para afastar a doença ou confirmá-la, e a partir daí realizar o tratamento mais adequado.

Se for fazer o exame, siga algumas dicas:

não marque o exame perto do início ou do fim do período menstrual, por serem fases em que as mamas ficam mais sensíveis;
use roupa de duas peças (saia/blusa ou calça/blusa). Será necessário retirar a parte de cima, inclusive o sutiã, para fazer a avaliação;
neste dia, não passe desodorante, cremes, talcos e perfumes;
diga ao médico radiologista se usa prótese mamária ou se já realizou algum procedimento na mama anteriormente;
leve outros exames de imagem que tenha feito para que o profissional possa realizar uma comparação;
escolha uma clínica com estrutura física e médicos radiologistas devidamente habilitados. Este cuidado garantirá um resultado completo, preciso e seguro.

Saiba mais sobre a Dra. Cristianne L. C. Domingues

Natural de Inhumas, Goiás, formou-se em Medicina no ano de 2006, pela Universidade Federal de Goiás (Goiânia-Go). Fez Residência Médica em Radiologia e Diagnóstico por Imagem, pelo Hospital Regional de Taguatinga (Taguatinga-DF) e Hospital Universitário de Brasília (Brasília-DF), de 2007 a 2009.

A Dra. Cristianne traz ainda no currículo especialização em Radiologia do Corpo pelo Hospital Anchieta (Taguatinga-DF) e título de especialista em Radiologia e Diagnóstico por Imagem pelo Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR).

Faz parte do corpo clínico da Clínica Maximagem Diagnóstico por Imagem, há 5 anos, desde a sua origem, em 2013.

Saiba mais sobre a Maximagem Diagnóstico por Imagem

A Maximagem Diagnóstico por Imagem foi inaugurada em 2013 e funciona em Valparaíso de Goiás/GO. Atualmente, conta com um corpo clínico de radiologistas devidamente habilitados para a realização de diversos tipos de exames por imagem. Entre eles: mamografia digital, ressonância magnética, tomografia computadorizada, raio-x e desintometria óssea.

A combinação de profissionais capacitados e equipamentos modernos permitem resultados rápidos e diagnósticos precisos, essenciais para o fundamentar a escolha do tratamento.

Entre em contato conosco e agende seu exame: 61 3044-1500 e (61) 99975-1500 Whatsapp.

Menu
WhatsApp chat